Arana tem irmão palmeirense e diz o que sentiu ao fazer gol no Alviverde

    O lateral esquerdo Guilherme Arana parece ter uma relação especial com o Dérbi. Melhor jogador do Corinthians na vitória sobre o arquirrival na última quarta, por 2 a 0, ele marcou dois dos seus três gols como profissional justamente diante do Palmeiras. Contente pelo bom desempenho no clássico, Arana explicou o que pode ser essa motivação extra: a rivalidade que vive no dia a dia com o irmão, torcedor do arquirrival, e alguns amidos.

    “Meu irmão é palmeirense, mas é meu irmão, gosto muito dele, sempre que ganhar vou brincar com ele e vice-versa”, comentou o lateral esquerdo, dois anos mais novo que Gustavo, que entrou na brincadeira ao comentar sua atuação logo após o apito final, ainda no gramado. Contente, ele mandou “um abraço para os palmeirenses que estão vendo o jogo lá em casa”, em entrevista à TV Globo.

    Saiba mais:

    Diego Alves no Flamengo?

    Os mais caros do mercado

    Arana fala sobre proposta

    “Meu amigo que eu mandei o abraço estava lá em casa. Cheguei e ele estava meio triste, mas feliz por mim. O nome dele é Rafael, mas o apelido dele é Bu (risos)”, disse o defensor, que ainda viu uma chuva de fotos e vídeos na internet surgirem com seu “rolinho” no colombiano Mina.

    “Eu recebi algumas brincadeiras, fico muito feliz, essas brincadeiras sadias são sempre bem-vindas. Não desrespeitando a equipe do Palmeiras, que é uma grande equipe, mas eu fiz um grande jogo, um dos meus melhores como profissional. Fico muito feliz, agora manter a cabeça no lugar para manter a boa sequência no campeonato”, observou o jogador, lembrando de quando era apenas mais um espectador do Dérbi.

    “Representa muita coisa, assistia só pela TV, e poder atuar em campo é um sonho realizado, sonho de criança. Quando eu era pequeno eu ficava na rua brincando com os amigos e escutava na rádio, prestava bastante atenção. Hoje, então, poder estar atuando e como eu atuei, é um momento único”, revelou o jogador, que fez seu primeiro tento na temporada, mas já tem nove assistências em 2017.

    “Eu lembro de muitos jogos, da minha estreia contra o Sport, que eu falhei depois dei a reviravolta”, relembrou, citando o triunfo por 4 a 3 sobre os pernambucanos, no Brasileiro de 2015, quando errou na saída de bola e entregou um gol ao rival, mas fez a jogada que resultou no pênalti do quarto tento alvinegro. “Mas esse jogo contra o Palmeiras foi muito especial por ser um clássico. Fico muito feliz, uma das minhas melhores atuações como profissional. Espero manter essa sequência”, avaliou.

    Veja Também