Candidato promete barrar negócios de irmão agente no Corinthians: “imoral”

    • Dassler Marques/UOL

      Paulo Garcia (centro), entre Adauto e Piovesan: quinto candidato do Corinthians

      Paulo Garcia (centro), entre Adauto e Piovesan: quinto candidato do Corinthians

    Quinto candidato a confirmar participação nas eleições do Corinthians, Paulo Garcia falou nesta segunda-feira (18) sobre os planos para sua chapa. Entre eles, o oposicionista que foi parte integrante da gestão Roberto de Andrade disse que o irmão e ex-conselheiro Fernando Garcia não terá mais negócios no clube. Na chapa de Paulo, estão o ex-diretor de futebol Flávio Adauto e o ex-diretor financeiro Emerson Piovesan, agora candidatos à vice-presidência. 

    “Eu acho que empresário é lícito. Não tenho nada contra. Ele era conselheiro vitalício do clube, fez empréstimos e [a partir disso] se envolveu com futebol. Comigo pode ser lícito, mas seria imoral. Não vou ter relação com Fernando, porque dará margem para que todos desconfiem de algo. O Fernando é bem íntegro, e não digo por ser meu irmão. Mas não acho legal [fazer negócios com ele]”, declarou Paulo Garcia. 

    Atualmente, Fernando possui relação contratual com os seguintes membros do elenco dirigido por Fábio Carille: o goleiro Walter, o zagueiro Vílson e o volante Marciel, além de jogadores que retornam de empréstimo como Marlone, Lucca e Guilherme Romão. O irmão de Paulo Garcia ainda possui uma parte menor da procuração de Maycon e participava do contrato de dois jogadores transferidos no ano – Guilherme Arana e Léo Jabá. 

    “Hoje o Corinthians tem uma base. Se pegar do Cássio até o Jô, quem teria hoje vínculo com Fernando? Ele tinha 2 jogadores e mais alguns garotos do elenco”, citou o ex-diretor de futebol Flávio Adauto. “A venda do Arana se concretizou porque era importante para o clube”, comentou ainda. 

    Veja Também