Andrés Sanchez - Corinthians

    Corinthians negocia sozinho e vende placas de publicidade por dobro do que rivais

    O Corinthians anunciou acordo com a empresa Sport Promotion pela venda das placas de publicidade de seu estádio no Campeonato Brasileiro a partir de 2019. O Flamengo fez acerto sob os mesmos termos, em contrato que renderá no mínimo R$ 12 milhões por ano para cada clube. É mais do que o dobro do que a maioria dos rivais receberia em negociação intermediada pela CBF.

    É que os agora adversários na semifinal da Copa do Brasil não aceitaram a proposta da entidade máxima do futebol de negociar em conjunto publicidade estática e direitos de transmissão da Série A no exterior, duas propriedades que a Globo abriu mão nos contratos a partir da próxima temporada.

    A CBF, que atuou como intermediadora na questão, apresentou propostas, e uma comissão de clubes elegeu a melhor. A vencedora foi a “BR Foot”, que ofereceu R$ 550 milhões por quatro anos de contrato, sendo R$ 440 milhões pelas placas e R$ 110 milhões pelos direitos internacionais.

    Pela parte da publicidade estática, que Corinthians e Flamengo não concordaram em negociar em conjunto, cada clube teria direito a R$ 5,5 milhões anuais. Acontece que a CBF cobrou 10% do valor pelo papel que desempenhou, o que já diminui a cifra para R$ 4,95 milhões. A empresa ainda deduziria custos operacionais, restando cerca de R$ 3,5 milhões líquidos – 30% do valor bruto que a dupla conseguiu.

    Os dois clubes mais populares do país não chegaram a sentar-se juntos com a Sport Promotion para negociar, segundo apurou o ESPN.com.br, mas fecharam com a mesma proposta: R$ 12 milhões garantidos por ano e gatilhos que permitem ganhos mais altos de acordo com o volume de vendas.

    Por contrato, a empresa será responsável por negociar as placas no mercado, mas os vínculos serão sempre assinados pelos clubes. A possibilidade de a receita ser superior a R$ 12 milhões passa por valores que superem essa cifra nas vendas. Quanto mais a Sport Promotion consegue acima da “garantia”, no entanto, menor passa a ser porcentagem dos clubes no excedente.

    Se a agência vende, por exemplo, todas as placas disponíveis para Arena e Maracanã por exatos R$ 12 milhões ou menos, é esse o valor que cabe a Corinthians e Flamengo. Já caso o volume dos negócios some, digamos, R$ 14 milhões, a divisão dos R$ 2 milhões “extras” é de 80% para os clubes, 20% para a Sport Promotion; a partir de R$ 15 milhões, a relação é 65% x 35%; e assim por diante.

    No caso do Corinthians, que já anunciou o acordo, a receita do contrato não irá totalmente para o clube. Parte será destinada ao fundo responsável pelo pagamento da dívida da construção da Arena. Já o Flamengo, apesar de também ter o acerto com a Sport Promotion encaminhado, ainda aguarda a aprovação de seu Conselho Deliberativo para oficializá-lo – nesta semana, o órgão do clube paulista também até se reuniu, mas o assunto não chegou a ser pauta do encontro.

    Impasse com outros clubes

    Apesar de os clubes terem aprovado a proposta da “BR Foot” apresentada pela CBF, a negociação vive um impasse. É que, enquanto a empresa se preocupava em colher assinaturas em contrato, uma nova oferta surgiu, de um fundo chamado “Optimal Capital Partners”, e dividiu os clubes.

    A nova proposta, que ainda não foi formalizada, prevê 200 milhões de dólares (R$ 780 milhões na cotação) às equipes, em contrato de dez anos, apenas pelos direitos de transmissão no exterior.

    Corinthians e Flamengo, novamente, estão juntos entre os indecisos, mas nesse caso acompanhados de outros clubes que também avaliam qual a melhor oferta. Um novo encontro entre os representantes dos times está marcado para o final do mês, no dia 28 de agosto.

    Diante da incerteza, a própria Sport Promotion aproveita para se aproximar de clubes que não fecharam com a BR Foot pelas placas de publicidade. O Atlético-PR, por exemplo, também negocia com a empresa, embora a negociação ainda não tenha evoluído para discussão de valores – o eventual acerto, contudo, não acontecerá nos mesmos patamares de Corinthians e Flamengo.

    Veja Também