Danilo se diz pronto para encarar Sport e mira preparação para 2018

    Se 2017 foi muito bom para o Corinthians, para Danilo foi uma temporada bem complicada. Pela primeira vez em sua carreira, o meia de 38 anos sofreu uma grave lesão ao quebrar os ossos da tíbia e fíbula da perna direita e passou quase o ano todo se recuperando. Dando um passo de cada vez, o camisa 20 foi voltando e inclusive jogou os minutos finais do duelo contra o Fluminense, que decretou o Alvinegro como heptacampeão brasileiro.

    “Não foi fácil o que passei, mas tem que ter a cabeça boa. Teve momento de voltar a pisar no chão, voltar a trotar, voltar a correr… Ouvi que não voltaria a jogar e a cada dia fui superando. Voltar a jogar foi fundamental para dar a volta por cima”, lembrou Danilo em coletiva nesta quinta-feira (30).
    Contra o Sport, fora de casa, no próximo domingo (03), o Corinthians encerra a temporada com um time que deve ter diversas mudanças. Apesar da vontade de estar em campo do meia, os planos do jogador estão na pré-temporada, quando deseja se preparar bem para poder atuar mais vezes em 2018.

    “Tem jogadores esperando oportunidade o ano inteiro também. Estou louco para jogar, mas precisa do ritmo. Estou há muito tempo parado. Vou trabalhar na pré-temporada para em 2018 estar igual a todo mundo”, avaliou o atleta.

    “Quero me preparar nas férias, fazer uma boa pré-temporada e voltar bem em 2018. Não pode (parar), estou há muito tempo parado, tenho que continuar bem. Vou ver com eles o que tem que fazer para voltar bem na pré-temporada”, concluiu Danilo.

    Leia também:
    Jadson forma dupla sertaneja com Felipe Araújo e canta em homenagem ao Hepta
    Suspensos, quatro atletas desfalcam o Corinthians na despedida do Brasileirão
    Pedro Henrique: “É dar continuidade ao trabalho para que o ano que vem seja especial”

    Meia de origem, o camisa 20 também já mostrou fazer bem o papel de centroavante. Por isso, se colocou à disposição de Carille para fazer qualquer uma das duas funções dentro de campo.

    “Quem decide quem joga é o treinador, mas eu sou meia-atacante. Já joguei de centroavante também, não sendo um homem fixo, mas voltando, armando a jogada, fazendo o pivô. Sei jogar de costas, isso ajuda. Mas tem que esperar o ano que vem. Onde o Carille optar por mim, estarei à disposição”, analisou.

    Veja Também