Em coletiva, Tite explica mudanças no Timão. Veja principais trechos da entrevista

    Em 45 dias, o Corinthians foi eliminado do Campeonato Paulista, da Copa Libertadores, perdeu seu principal jogador, Paolo Guerrero, e vem de duas partidas sem vitória no Campeonato Brasileiro. A pressão gerada por todo esse contexto traz consequências. Tite, nesta terça-feira, falou sobre isso, o que gera no aspecto pessoal e a necessidade de ter discernimento na véspera de enfrentar o Grêmio em Porto Alegre.

    “Eu respeito a paixão. Mas essas manifestações não gosto de comentar. Não pude ir a restaurante comemorar aniversário meu e da minha esposa. A gente respeita. É do jogo. Foi mal, vaiar, é do jogo. O que passa disso a gente deve rever como educação de maneira geral”, protestou Tite.  “Não vejo, não comento e respeito (manifestações) desde que não haja violência”, disse.

    Segundo Tite, esse é o momento de manter frieza. “Na última entrevista coletiva, um repórter fez uma pergunta bastante inteligente. ‘Dos diversos aspectos que o treinador tem, qual mais importante nesse momento?’ É manter calma e discernimento, senão daqui a pouco nada serve, bota um (jogador) e tira outro, e todo processo pode se perder”, explicou.

    “Não (para) estar feliz (com o momento), não de estar confiante ou contente, mas em ter discernimento. É a palavra para seguir. Blindando e dando condições a jovens. Fui falar com o Felipe, e ele tem a idade do meu filho. Posso cobrar maturidade? É a idade do meu filho. Cassini (vendido ao Palermo-ITA) tem 19 anos. Fui falar com ele e me disse: ‘minha cabeça tá um turbilhão, não posso ligar celular que bomba de tudo que é lado, e não sei o que fazer. Só para mostrar ao torcedor quanto existem de seres humanos”.

    Para enfrentar o Grêmio, ele promoveu duas mudanças na equipe que perdeu para o Palmeiras, com as entradas de Cristian e Mendoza nos lugares de Ralf e Petros. Tite explicou o impacto de jogar fora de casa nesse momento: “fazer gol dá segurança maior ou levar gera intranquilidade maior. Jogando em casa a responsabilidade é maior. No intervalo (do clássico) eu colocava uma orientação específica. Se tá com posse de bola, mas lado direito está bloqueado, tenha calma, joga lá atrás e encontra melhor solução. Mesmo que gere um ‘aaaaa’ porque se quer que ataque. Tem que executar e pensar. Joga a bola nos pensadores e organizadores da equipe”, recomendou.
    RECEITA CONTRA CRISE
    Não tem fórmula pronta, resposta pronta e as coisas não são lineares. Se busca um processo todo, um trabalho todo, e modificações que inevitavelmente acabam acontecendo. Deixa o trabalho, as observações e o campo falar. Senão fica na teoria. É sequência para se observar, dar oportunidades e para que o time se mostrasse em campo.
    SEQUÊNCIA A JOGADORES
    É fase de ajustes e do campo falar. Qualidade técnica individual tem. Qual etapa estamos? Tenho que “oportunizar”. Cristian está confirmado porque o momento dele é bom, assim como a oportunidade é a Romero. Não entra em um jogo e sai no outro. Tem coerência para se construir. Queremos apressar, mas o tempo é inevitável.
    MENDOZA DE VOLTA
    Mendoza confirmado. Do jogo anterior, o erro que cometi antes foi de tirar profundidade da equipe. Quis aproveitar o momento bom do jogo anterior do Petros, contra o Fluminense, com dois articuladores para dois atacantes. Por um momento busquei isso e perdeu profundidade. Tenho dois jogadores agudos que atacam espaços, de velocidade (Romero e Mendoza), e dois articuladores (Jadson e Renato Augusto).
    SAÍDA DO RALF
    Trouxe o Cristian e o Ralf para conversar comigo e disse as seguintes palavras. Não meço que alguém é melhor que alguém, mas é encontrar momento, e o momento bom dos treinamentos e jogos que participou é de Cristian. É o respeito que coloco a eles. Não distribuo coletes porque o cara fica me espiando. Não faço isso, faço o que falei agora, a escolha técnica do momento.
    VAGNER LOVE VOLTA
    Ele viaja conosco. Ele teve resposta muito boa aos trabalhos. Conversei antes do clássico e disse que era fácil colocar no jogo com o Palmeiras pela necessidade. Como ele estava em recuperação, não posso fazer isso. Tem que ter coerência. O nível de força dele evoluiu bastante, foram trabalhos melhores com Fabrício, Fedato e Flávio (comissão técnica) e já está em condição bem melhor.
    MUDANÇA DE POSIÇÃO PARA SHEIK NÃO JOGAR MAIS

    O risco de lesão que traria um ônus financeiro e prejuízo ao atleta em termos de saúde muito grande. Ele tem até nove meses de recuperação total para que possa estar em campo de novo.

    NR.: Regulamentação da Fifa permitiria a Sheik estender o contrato em caso de lesão grave. O vínculo atual acaba em 31 de julho.

    SAÍDA DE BOLA RUIM
    É uma engrenagem toda, senão a gente começa a dividir. É do melhor momento de cada um. O Ralf viveu grande momento. Ele teve uma queda, o Cristian manteve um padrão de treinamentos bons e de oportunidade. Claro que ele tem muito boa qualidade de passe. Em toda fase boa, o Ralf foi elogiado por vocês, inclusive pela qualidade do passe. A equipe se construindo é natural que as oportunidades surjam.

    Veja Também