Jornal: Auditoria mostra obras inacabadas, prejuízo milionário e dívida de quase R$ 2 bi do Timão

    Com uma saúde financeira fragilizada, o Corinthians sofre para conseguir pagar as contas de seu estádio. De acordo com o portal Superesportes, alguns conselheiros do time de Parque São Jorge tiveram acesso a uma auditoria contratada a pedido do Corinthians para levantar os números da Arena.

    Realizado pela Claudio Cunha Engenharia e Construções, o documento mostra que o clube ainda terá de pagar R$ 1,338 bilhão, isso por que são considerados os juros e encargos referentes até agosto de ano e descontando os valores dos Certificados de Incentivo ao Desenvolvimento, títulos comprados por empresas para abater o imposto municipal. Caso seja somado, o valor sobe para R$ 1,8 bilhão.

    Final da Copa do Brasil e Liga Europa no FOX Sports

    Por incrível que pareça, o estádio entregue pela construtora Odebrecht para a Copa do Mundo de 2014, ainda tem obras a fazer, e isso impede que o Timão consiga realizar eventos ou expandir seus negócios no local. Por conta da falta de reparo em locais como camarotes e outros setores, o Corinthians pode ter um prejuízo de até R$ 100 milhões.

    Vender os chamados CID’s seria uma boa opção para o Timão, que poderia arrecadar quase R$ 454 milhões. Porém, existe uma dificuldade muito grande em fazer o negócio. Por conta disso, a auditoria sugere que o Corinthians venda esses títulos direto para a Odebrecht. A ação diminuiria parte da dívida, que está em R$ 976 milhões.

    Saiba mais:

    Desmanche no Corinthians?

    Bandeira fala sobre Conca

    Suárez: “Paulinho é um animal”

    O Corinthians ainda busca um refinanciamento da dívida com a Caixa Econômica Federal, mas corre atrás do prejuízo, uma vez que todo o dinheiro arrecadado é destinado a um fundo criado para pagar a obra do estádio. De acordo com o Superesportes, a Odebrecht desconhece a auditoria e disse que o Corinthians decidiu não realizar as últimas obras, uma vez que isso aumentaria o valor da dívida.

    Veja Também