No Senado, presidente desdenha de ‘Democracia Corintiana’

    O período dos anos 80 conhecido como “Democracia Corinthiana” é algo que os torcedores do gigante paulista levam na história da agremiação com muito orgulho e até influenciou no movimento das “Diretas Já!” durante a Ditadura Militar. No entanto, pelo menos para alguém ela não foi tão importante assim.

    Convidado pelo Senador Romário (PSB-RJ) para depor na CPI do Futebol, em Brasília, o presidente do Corinthians, Roberto de Andrade, foi perguntado pelo também Senador Hélio José (PSD-DF) para falar sobre a influência da Democracia Corinthiana.

    E Roberto de Andrade desdenhou do período.

    “Não trouxe benefício nenhum ao clube, era um ato de atletas. Aquilo chamou atenção da mídia porque o que não tinha eram as concentrações. Se ouvia a opinião de dois ou três que mandavam no elenco do Corinthians. Aquilo ficou marcado como um evento fora de série. Não foi assim, não entendo assim”, disse o presidente do clube paulista.

    Os líderes do movimento do Corinthians foram Sócrates, Wladimir, Casagrande e Zenon. Neste período no início da década de 80 as contratações, escalações e gestão do clube eram votadas entre o elenco e os outros funcionários do time, algo revolucionário para o contexto ditatorial em que o Brasil estava inserido.

    Veja Também

    Comments (4)

    1. Avatar
      Diego Aparecido

      Presidente medíocre

    2. Avatar
      Neide Dantas Jeste Figueira

      Que o presidente venha a público e se desculpe pq foi muito infeliz

    3. Avatar
      Samu Zlsp

      Esse cara é um Gobbi piorado. Melhor deixar o Andrés falar e ele ficar apenas como boneco. Um declaração dessas vai de encontro ao pensamento dos ANTIS, seria ele um ANTI? Boatos correm que é próximo dos sardinhas podres.

    4. Avatar
      Terezo Castro Rorigues Rodrigues

      Respeita a história

    Comments are closed.