Globo Esporte - 10 de fevereiro de 2017 às 15:14

Depois de uma temporada no futebol chinês, Jadson está de volta ao Corinthians. O meia foi apresentado pela diretoria do clube, nesta sexta-feira, no CT Joaquim Grava, e falou sobre o sentimento de retornar à equipe em que foi campeão brasileiro de 2015. Jadson assinou contrato de dois anos na segunda-feira e já treina com o elenco.

– Eu estou muito feliz de retornar ao clube que saí por cima em 2015, campeão brasileiro. Foi um ano muito bom para mim e para todos. Não esperava essa repercussão da torcida, pedindo minha volta. Acho que foi muito bacana. A única forma de agradecer e retribuir é me empenhando, fazendo gols e dando assistências. É para isso que eu voltei – afirmou.

A negociação para o retorno do armador demorou mais do que o esperado. Assim que rompeu seu vínculo com o Tianjin Quanjian, o jogador pediu salário de R$ 650 mil ao Timão e mais luvas de R$ 10 milhões. O presidente Roberto de Andrade descartou o acerto nesses termos, e o meio-campista topou negociar, dando prioridade ao clube.

Decisivo na conquista do título brasileiro em 2015, Jadson chega para ser a grande estrela do atual elenco corintiano e deve ser titular assim que estiver em forma – precisará de um mês para recuperar a forma. A previsão é de que ele seja escalado por Fábio Carille aberto pelo lado direito, disputando posição com Marquinhos Gabriel e Giovanni Augusto.

– Aqui no Corinthians há outros jogadores com uma história bacana no clube, com esse espírito de liderança, mas sei da minha parte e do que tenho de fazer. Cada um tem de se esforçar e dar seu melhor. Sei a parte de liderança que terei também. Voltei para isso. Não sou o salvador da pátria, mas a torcida pode esperar um Jadson determinado e focado nos objetivos desse ano – disse.

Jadson voltou a se manifestar também sobre a polêmica entrevista do médico Joaquim Grava. O chefe do corpo clínico do Timão disse que o jogador está acima do peso e precisará de um período para entrar em forma novamente. Nas redes sociais, o meio-campista se mostrou irritado com o assunto e criticou também parte da imprensa pela repercussão.

– Foi uma entrevista que o Joaquim Grava deu, até assisti, ele não falou na maldade sobre a situação do meu peso, mas foi uma declaração infeliz dele. Depois conversamos e não tivemos problema algum. Eu nem tinha assinado com o Corinthians, e as pessoas já estavam dizendo que eu não estava em forma… Que jogador vem de férias em forma? – questionou.

Veja como foi a entrevista coletiva de Jadson:

NOVO ELENCO

“Pelo que já bati papo com alguns jogadores, todos dizem que é um grupo bacana de se trabalhar, tem um clima muito bom. Isso é muito importante para quem quer vitórias e resultados. Estou feliz e esperançoso, porque temos jogadores de qualidade aqui. Importante é todos darem confiança ao grupo e à comissão técnica”.

TRABALHO COM CARILLE
“Trabalhei com ele na época do Tite, merece estar onde está. Estou trabalhando a parte física, quando eu voltar, vamos trocar uma ideia para ver o que ele pensa sobre minha utilização no time”.

POSICIONAMENTO
“Nunca tive problema em jogar no meio, joguei centralizado na frente dos volantes, com Tite joguei aberto, não sei o que o Carille está pensando, ainda não conversamos, mas onde eu tiver que jogar, vou dar meu melhor. Não tem problema jogar aberto ou no meio, quero ajudar”.

OUTRAS PROPOSTAS
“Teve três propostas além do Corinthians, mas quando rescindi na China deixei claro que a preferência era do Corinthians, queria voltar, me identifiquei com o clube e a torcida. Graças a Deus as coisas deram certo, estava ansioso. Feliz de voltara um grande clube, é um elenco novo e vim para contribuir”.

FORMA FÍSICA
“Estou há muito tempo parado, o importante é ter uma base de treinamentos para depois não ter lesões durante a temporada. Já conversei com a comissão técnica, eles estão um fazendo um trabalho especial, estou treinando em dois períodos e me esforçando ao máximo. O tempo vai depender de como as coisas evoluírem. Por mim, já ia para o jogo amanhã”.

PERÍODO DE ADAPTAÇÃO
“Estou me esforçando nos treinamentos e fora deles. É difícil dar uma previsão, mas quero jogar o mais breve possível. O comprometimento com o grupo, com a instituição, estou me esforçando da melhor maneira”.

DESAFIO MAIOR NA SEGUNDA PASSAGEM
“Pela imagem que eu deixei em 2015, pelo título, acho que a torcida está esperançosa e querendo ver aquele futebol. O ano de 2015 foi especial para mim, para o grupo, então minha volta vai ser um desafio. Vou me entregar para ter o melhor desempenho possível e dar alegrias à torcida”.

VALORES DA NEGOCIAÇÃO
“Às vezes saem algumas notícias, mas nem sempre são verdadeiras. Nesse momento que acabei vendo as notícias, preferi ficar quieto e esperar terminar tudo. São coisas de negociações, cada atleta tem seu valor, eu tenho o meu. Meu empresário não chegou a falar sobre isso. Pode ter certeza de que abri mão de dinheiro para voltar ao Corinthians. Vontade minha”.

COBRANÇAS DE FALTAS
“Naquele ano, fiz alguns gols de falta na Libertadores, no Brasileiro. Foi um ano importante para mim. Não sei o que o Carille está pensando, não conversei com ele sobre isso. Mas ele sabe das minhas qualidades, trabalhamos juntos. O Fellipe Bastos também bate bem na bola, importante é encontrar a solução para que possamos levar perigo”.

LÍDER DO ELENCO
“Cada jogador tem seu compromisso e tem de dar sua parte. Sei da minha responsabilidade nessa volta, estou confiante e querendo me preparar bem para atuar em alto nível novamente. Aqui tem outros jogadores com bagagem. Cássio, Danilo, Fagner… Esses jogadores podem ajudar o time a ganhar uma cara, uma forma”.

TIMÃO É A QUARTA FORÇA DO ESTADO?
“O Corinthians, em qualquer campeonato que entra, é favorito. Pelo peso da camisa, da história, quando a bola começa a rolar, não tem favoritismo. Vai muito da força de vontade e da entrega dos jogadores em campo. Quando tivermos jogos importantes e clássicos, vamos colocar a bunda no chão, dar carrinho… Aí os resultados vêm”.

COMPARAÇÃO COM 2015
“Em 2015, o elenco também era de qualidade, como esse, mas também recebíamos críticas no início. Saímos do Paulista, Copa do Brasil, Libertadores, e as críticas vieram. Com esse grupo, acabamos ouvindo algumas coisas… As críticas estão um pouco exageradas. O grupo aqui é bom e temos tudo para dar a volta por cima e conseguir resultados”.

CHANCE NA SELEÇÃO
“A Seleção tem muitos jogadores de qualidade, o Tite conseguiu ajeitar a Seleção pelo trabalho dele. Merecidamente. Primeiro, tenho que voltar a atuar e mostrar meu futebol em campo para chamar a atenção. Só o tempo dirá. Estou focado no Corinthians”.

COBRANÇAS DE FALTAS
“Em 2015, Tite cobrava muito a questão das faltas. Pegava umas dez bolas de cada lado para aprimorar a batida. Isso ajudou bastante, carrego junto comigo como experiência. Quando eu voltar a treinar, vou praticar. Tem de chamar também o Fellipe Bastos e outros jogadores para ajudar”.

NÚMERO DA CAMISA
“Sendo bem sincero, em todos os clubes que atuei no Brasil sempre joguei com a 10, só que isso aí é uma decisão do clube, do Corinthians. Não me passaram ainda a numeração que vou usar, também estou ansioso para saber, mas estou aqui para ajudar o grupo. Independentemente do número, vou dar meu melhor e ajudar o Corinthians a conseguir vitórias”.

FESTA EM ITAQUERA NO SÁBADO
“Os caras têm de ser guerreiros, o pôster de 2015 era bem mais bonito do que esse, os caras estão derrubadinhos (risos). Mas vai ser muito importante a torcida prestigiar os jogos e apoiar a equipe. Vai ser bacana minha apresentação, mas mais importante vai ser ajudar o grupo a conseguir a vitória. Tomara que vocês larguem a baladinha de sábado e vão prestigiar o Timão”.