UOL Esporte - 12 de setembro de 2017 às 10:59
  • Daniel Vorley/AGIF

    O técnico Fábio Carille tem evitado análises individuais sobre jogadores

    O técnico Fábio Carille tem evitado análises individuais sobre jogadores

Empolgada com o primeiro turno histórico e agora frustrada pelas três derrotas em quatro jogos do segundo turno, que impediram a criação de uma vantagem ainda maior no Campeonato Brasileiro. Este é o retrato da torcida do Corinthians, que em boa parte tenta encontrar culpados e soluções em meio à inédita oscilação da equipe na temporada, em que já foram perdidos nove pontos em 12 disputados.

O técnico Fábio Carille tem evitado análises individuais sobre jogadores, mas os de meio-campo têm sido os mais cobrados, especialmente Jadson, Rodriguinho e Maycon, principais responsáveis pela transição ofensiva e criação de jogadas. De acordo com dados do Footstats, a média de passes errados do Corinthians é de 45 por jogo no Brasileirão, e nos jogos contra Vitória, Atlético-GO e Santos sobe para 51,6. O trio é por quem a bola mais passa durante as partidas.

Jadson está acertando menos passes. Sua média no Brasileirão é de 31,8, e nas três partidas que terminaram em derrota foi de 31,3. Ele também não finalizou nenhuma vez nas derrotas, contra uma média de 0,4 no campeonato. Segundo Carille, os dados negativos têm relação com o processo de transição física que o camisa 10 vive: ele ficou fora da equipe por três semanas em razão de fraturas nas costelas e voltou justamente durante o jogo contra o Vitória, sendo preservado na vitória contra a Chapecoense e titular na sequência posterior.

Além do aumento de passes errados, o Corinthians também quase dobrou o número de cruzamentos errados: saltou de uma média de 17,9 por jogo para 31,6 nas três derrotas. O time também se arrisca menos: são três dribles em média na sequência ruim e quase quatro por jogo no restante do campeonato. Os números traduzem uma conclusão simples: o Timão está menos confiante.

Ao contrário de Jadson, Rodriguinho não tem estatísticas piores: manteve a média de finalizações e passes certos do restante do Brasileirão, torneio em que tem três gols e três assistências. Maycon segue a mesma linha, até cresceu o índice de desarmes, mas é criticado por não arriscar no gol: nas três derrotas, só finalizou uma vez contra o Vitória, e nas outras passou em branco.

Enquanto a criatividade sofre duros golpes na sequência de derrotas, a defesa também exibe números incomuns. Durante todo o primeiro turno, o Corinthians sofreu apenas nove gols em 19 partidas (média de 0,47). Nos jogos contra Vitória, Atlético-GO e Santos foram quatro gols sofridos, média superior a um por jogo, o que também é motivo de preocupação.

Para Carille, só a partida contra o Vitória “saiu da linha”, segundo suas palavras, ou seja, não contou com bom rendimento. Diante do Atlético-GO, o Corinthians criou e não fez. E contra o Santos os erros de passe e finalização comprometeram a boa atuação em uma derrota “normal” fora de casa.