Globo Esporte - 09 de fevereiro de 2017 às 13:54

A ausência de última hora do lateral-esquerdo Moisés contra a Caldense, pela Copa do Brasil, ainda repercute negativamente no Corinthians. Apesar de a diretoria do departamento de futebol ter assumido a responsabilidade pelo erro, o problema gerou reclamações internas e afetou diretamente o trabalho da comissão técnica.

A bronca maior é pela demora em checar a condição de jogo dos atletas. Isso só foi feito na terça-feira à noite, depois de Fábio Carille ter comandado o último treino da equipe, com Moisés escalado como titular. Com isso, o volante Marciel, improvisado no setor, sequer teve tempo para treinar com a equipe principal.

Integrantes do departamento de futebol corintiano pediram desculpas ao treinador pelo inconveniente. O assunto vem sendo tratado como uma falha grave. Se Moisés tivesse pelo menos ficado no banco de reservas, o Corinthians estaria eliminado da Copa do Brasil pela utilização de um jogador de forma irregular.

Além do diretor Flávio Adauto e do gerente Alessandro Nunes, o departamento de futebol do Corinthians conta também com o supervisor André Dias. É dele a responsabilidade de gerenciar as inscrições e a condição de jogo de cada atleta.

Os dirigentes se surpreenderam também ao tomarem conhecimento de que Moisés sabia da suspensão na reta final da Série B, atuando pelo Bahia. O jogador em nenhum momento comunicou ao clube de que não poderia atuar. Mesmo assim, não houve cobrança ao jogador.

Com a classificação em Poços de Caldas, Moisés ainda terá de cumprir mais um jogo de suspensão na segunda fase da Copa do Brasil. O Timão pega Brusque, de Santa Catarina, ou Remo, do Pará. Os clubes se enfrentam no dia 16, em Brusque.