Odebrecht deixará Arena Corinthians com R$ 200 mi em obras inacabadas

    Não bastasse o custo de R$ 1,2 bilhão, o Corinthians terá um enorme problema para resolver assim que a Odebrecht der por encerrada a construção da arena de Itaquera. Depois de seguidos adiamentos, o grupo pretende finalizar seus trabalhos até o dia 16 de outubro, mas não entregará o estádio totalmente pronto. Longe disso. O Timão calcula que a empresa deixará para trás obras inacabadas que somadas chegam a R$ 200 milhões.

    Cerca de R$ 90 milhões desse valor são referentes apenas à arquitetura interna e externa. O restante faz parte de uma extensa lista de atividades não concluídas, como elétrica, hidráulica e acabamentos. Outro problema é que algumas instalações (mármore, por exemplo) foram realizadas de maneira equivocada ou com materiais não compatíveis com o projeto e precisam ser refeitas.

    Para o torcedor que frequenta a arena, o atraso mais nítido está no conserto do painel de LED instalado na fachada. Em novembro de 2013, um guindaste que içava o último módulo da estrutura da cobertura metálica tombou sobre parte da área de circulação do prédio leste e afetou parcialmente o telão – duas pessoas morreram. Desde então, o local atingido não funciona como deveria.

    Até mesmo o piso da área externa não foi concluído. O projeto, idealizado pelo arquiteto Aníbal Coutinho, previa que o espaço fosse preenchido com um calçadão em mármore e um espelho d’água para a circulação da torcida. No entanto, nenhum dos dois existe. A área está coberta com concreto e asfalto.

    Na parte interna, a grande preocupação é com o setor Oeste, visto pelo Corinthians como fundamental na captação de recursos. A realidade, porém, é bastante diferente do projeto e dá ao local um “aspecto hospitalar”, como definiu um dos responsáveis pela arena. Muitos camarotes ainda sequer possuem mobília. Até algumas cubas de pias foram instaladas com defeito, e o trabalho precisa ser feito outra vez.

    A construtora tenta finalizar, pelo menos, o centro de convenções até sua saída definitiva da obra. O Corinthians acredita que o local estará liberado para uso nos próximos dias, podendo se transformar em uma nova fonte de receitas com o aluguel para eventos. Em nota, a Odebrecht diz que pretende acabar a construção desta área nesta semana.

    Questionada pela reportagem sobre a data da entrega do estádio e sobre os valores que ainda precisam ser investidos para a conclusão, o grupo respondeu via assessoria que “os serviços atuais faltantes não implicam na impossibilidade ou restrição de uso da Arena” e que “todo o escopo e etapas da obra foram estabelecidos de comum acordo com nosso único cliente neste contrato, o Sport Club Corinthians Paulista, de forma que não reconhecemos declarações de outras fontes”.

    Um relatório entregue em agosto à diretoria do Corinthians por Aníbal Coutinho detalha todas as obras não realizadas pela Odebrecht. O documento contém centenas de imagens comparando o projeto e a obra, além de exemplificar os pontos problemáticos.

    O sentimento entre as partes é de preocupação. Dirigentes ouvidos pela reportagem acreditam que a não conclusão das obras afeta diretamente a imagem da arena. O Timão vem tendo dificuldades para vender camarotes, cadeiras cativas e atrair investidores. O nome do estádio ainda não foi comercializado – o clube quer R$ 400 milhões por 20 anos de acordo, mas nenhuma das negociações avançou.

    A direção corintiana pretende, momentaneamente, evitar uma disputa judicial com a construtora. De acordo com a cúpula administrativa, o clube vai esperar a Odebrecht encerrar suas atividades para avaliar o que não foi feito e cobrar alterações amparado pelo contrato. A informação de que o grupo terminará a obra no dia 16 de outubro foi confirmada via assessoria pelo ex-presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, um dos responsáveis pela gestão da arena.

    A primeira previsão era de que a construção estivesse concluída em dezembro de 2014, mas ela vem sendo alterada praticamente mês a mês. A situação piorou depois que a Odebrecht passou a ser investigada pela Operação Lava-Jato. Marcelo Odebrecht, presidente do grupo, está preso em Curitiba desde 19 de junho acusado de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

    Orçada em R$ 985 milhões, a Arena Corinthians já atingiu a marca de R$ 1,2 bilhão por conta de juros e empréstimos adicionais. Desde julho, o clube paga R$ 5 milhões mensais ao BNDES, mas solicitou recentemente que o período de carência seja estendido. Assim, só voltaria a desembolsar o valor a partir de fevereiro de 2016.

    Veja Também

    Comments (7)

    1. Avatar
      Marcelo Silva

      Globo.com publicou essa matéria, mas eles citaram muitas coisas que já foram finalizadas, essa matéria não tem muita credibilidade!!!

    2. Avatar
      Mauro B. Lucio

      Também achava q só faltavam poucas coisas para resolver. Mais agora sabendo,oq falta e um oceano de coisas para se finalizar, isso é Brasil minha gente. E aí Corinthians???… Da uma solução pra nóis, nação Corinthiana…..

    3. Avatar
      Tiago Guedes

      Eu achando que já estava tudo acabado só faltava pequenos detalhes

    4. Avatar
      Marcos Izidório

      Calma, o lula vai resolver isso .

    5. Avatar
      Djalma Layla

      Parece brincadeira

    Comments are closed.