Rincón revela como desunido Corinthians ganhava títulos e reagiu após pior derrota para o Palmeiras

    Um dos maiores volantes da história do Corinthians, Freddy Rincón tem um currículo invejável dentro do Parque São Jorge. Foi capitão nos títulos de bicampeão brasileiro (1998 e 1999), Mundial de Clubes (2000) e Paulista (1999). Era líder de um vitorioso time que só não conseguiu conquistar a Libertadores. A eliminação para o Palmeiras, em 1999, foi uma espinha na garganta dos corintianos por muito tempo.

    Ao contrário de Vampeta e Dinei, Rincón converteu a sua penalidade naquela fatídico 12 de maio. A queda nas quartas de final para o maior rival foi um golpe duro no elenco, que naquela época já dava sinais de ter um relacionamento conturbado entre as principais estrelas, como Edílson, Marcelinho e o próprio colombiano. No entanto, no final do ano, a equipe garantia o bi do Brasileirão. E ele conta como foi essa ‘troca de chip’ em meio à tragédia:

    “Perdemos para o maior rival. Estava tudo se caminhando para a gente. O Palmeiras não tinha como ganhar. Mas é futebol, fazer o quê? Foi muito duro. Mas o grupo correu atrás, se superou e conquistou tudo o que veio depois”, afirmou o ex-volante, em entrevista exclusiva ao FOXSports.com.br.

    Veja mais:

    Chilavert: “Ceni aprendeu comigo”

    Rincón escolhe entre Palmeiras 94 x Corinthians 2000

    Rever pediu ‘jogo de compadres’

    Além do Brasileirão, teve também o Mundial de Clubes, contra o Vasco, no ano seguinte. As estrelas corintianas continuavam no elenco, assim como os problemas de relacionamento. Dono da faixa de capitão, era de responsabilidade de Rincón domar as feras, principalmente Edílson e Marcelinho Carioca, desafetos do colombiano:

    “Eu fazia o que tinha que fazer. Queria ganhar, independentemente do que pensavam Edílson ou Marcelinho. Como capitão, fazia o que fosse preciso. Não era só com eles dois. O grupo não era unido, mas todo mundo tinha consciência e maturidade. As desavenças não repercutiam em nada”, ressalta o colombiano, que garante não se arrepender de suas atitudes:

    “Eu queria era vencer. Não precisava ter uma vida de amigo fora de campo. Tinha problema, mas na hora que o Corinthians disputava título, jogava e ganhava”, finalizou.

    Veja Também