Vulnerável, Corinthians falha em jogadas treinadas à exaustão por Carille

    • Rodrigo Gazzanel/Corinthians

      Corinthians de Carille tem sido vulnerável na defesa sobretudo nas jogadas pelo alto

      Corinthians de Carille tem sido vulnerável na defesa sobretudo nas jogadas pelo alto

    O Corinthians perdeu a solidez defensiva no segundo turno do Campeonato Brasileiro em meio à série de resultados negativos. Vulnerável, o líder da competição virou presa fácil dos adversários. Nesse cenário de instabilidade da zaga, a bola alçada na área se tornou um terror para o time alvinegro.

    A jogada, dessa forma, virou a principal arma dos rivais nos últimos jogos do Corinthians. Com 11 gols sofridos no returno do campeonato, a equipe alvinegra foi vazada cinco vezes depois de lances pelo alto na área corintiana. 

    O problema ficou ainda mais grave na derrota do líder para o Botafogo na última segunda-feira. O time carioca venceu por 2 a 1 e conseguiu balançar as redes após duas cobranças de escanteio.

    O técnico Fábio Carille, inclusive, mostrou-se insatisfeito com o desempenho da defesa corintiana. “O que me deixa chateado é tomar dois gols de bola parada, algo que trabalho tanto”, disse depois dos dois erros capitais diante do Botafogo.

    O treinador, de fato, dá ênfase às jogadas em treinos do Corinthians realizados no CT Joaquim Grava. Às vésperas das partidas, Carille treina à exaustão o posicionamento defensivo, com uma série de repetições e a participação dos jogadores titulares. Nem mesmo a gravação da atividade é liberada.

    Erros ficaram comuns 

    Os erros em bolas altas já foram registrados no primeiro turno, mas com uma incidência muito menor. Em 19 jogos, o Corinthians só sofreu nove gols – cinco deles em jogadas aéreas. Esse número dobrou no returno da competição.

    “A gente vem tendo alguns erros que antes não tinha. Em muitos jogos ganhamos de 1 a 0. Fazíamos o gol e não dávamos chance ao adversário. A gente vem tendo alguns erros”, admitiu o goleiro Cássio.

    Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians

    Carille orienta jogadores em treino: bola aérea é treinada constantemente

    As falhas corintianas aconteceram até mesmo na pequena área, setor do campo que teoricamente deveria ser o mais protegido. Na derrota para o Atlético-GO em casa, por exemplo, o zagueiro Gilvan conseguiu antecipar o corintiano Pedro Henrique. Na vitória por 3 a 1 sobre o Coritiba, o adversário chegou a empatar a partida após uma finalização de Henrique Almeida entre os dois defensores alvinegros.

    Contra o Botafogo, os erros aconteceram depois de cobranças de escanteio no segundo tempo. No primeiro gol dos cariocas, Brenner marcou após desvio pelo alto de Rodrigo Pimpão. No gol da vitória, o zagueiro Igor Rabello levou a melhor sobre Rodriguinho.

    O Corinthians também foi vazado dessa forma no empate por 1 a 1 com o Cruzeiro, no Mineirão. Em uma jogada iniciada pelo lado direito da zaga, o líder viu Rafinha ganhar de Guilherme Arana pelo alto e abrir o placar – no fim, Clayson empatou de pênalti.

    Time tenta reencontrar solidez

    Após o empate sem gols com o Grêmio na semana passada, Jô e o próprio Carille ressaltaram a importância de o time voltar a apresentar solidez na zaga. Segundo eles, essa melhora é o primeiro passo para voltar à rota de vitórias. 

    “Não pode mais haver erros. Se defender bem, uma equipe que não toma gols. Às vezes fazer um golzinho, vencer fora de casa. Em casa o mais importante é não perder”, frisou Jô na ocasião.

    Tal perfil foi moldado a partir do Campeonato Paulista, quando o Corinthians surpreendeu os maiores rivais e conseguiu erguer a taça. A campanha foi marcada por poucos gols sofridos e vitórias apertadas, com exceção da primeira final contra a Ponte Preta.

    Veja Também