De olho na Libertadores, Timão encara o Santos na Vila Belmiro

    O primeiro jogo na Vila Belmiro em 2012 colocará em xeque a boa fase de Santos e Corinthians. Com seis vitórias seguidas e o melhor ataque do Campeonato Paulista com 27 gols, o Peixe terá pela frente, neste domingo, às 16 horas (de Brasília), o líder Timão, que não perdeu nenhuma de suas 11 partidas no torneio e tem a defesa mais eficiente, com apenas quatro tentos sofridos.

    O Peixe atuou pela última vez em casa no empate com o Bahia, por 1 a 1, no dia 27 de novembro do ano passado, pelo Brasileirão. De lá para cá, o gramado da Vila passou por uma ampla reforma, após a qualidade do campo ter sido bastante questionada por atletas, comissão técnica e torcedores. “O gramado está muito melhor do que estávamos esperando. Além disso, é muito importante poder jogar na nossa casa novamente”, destacou Muricy Ramalho, técnico santista.

    A intenção do time praiano é diminuir a diferença de cinco pontos (29 a 24) que o separa do topo, ocupado justamente pelo adversário. “O que move essa partida é a rivalidade. Um clássico é sempre muito importante, diferente, e é disso que os Estaduais sobrevivem. Essa rivalidade, desde que sadia, faz parte da nossa cultura. É muito legal esse sentimento e torço para que isso continue. Espero mais um bom jogo contra o Corinthians”, disse Muricy.

    O meia Danilo, autor do gol que garantiu a chorada vitória do Corinthians por 2 a 1 sobre o Catanduvense, na última quarta-feira, também valorizou a magnitude do duelo. “Clássico é sempre um jogo difícil, mas todo jogador gosta de participar. Nossa equipe vem jogando bem, lutando do começo ao fim e ralando a bunda no chão. É por isso que estamos na frente, tem que continuar assim”, comentou o camisa 20, que costuma se dar bem em jogos entre rivais – foi dele o gol que deu ao Timão a vitória sobre o São Paulo, no único clássico da equipe até aqui no Paulistão.

    Quem também cresce em partidas desse tipo é o atacante Neymar, que não participou da vitória por 2 a 0 sobre o Guarani, na última rodada, por estar com a Seleção Brasileira para o amistoso contra a Bósnia, na Suíça. Assim como o camisa 11, o meia Paulo Henrique Ganso e o goleiro Rafael, outros selecionáveis do grupo, estão confirmados na equipe.

    Muricy até cogitou poupar alguns dos seus principais jogadores visando ao duelo com o Internacional-RS, na próxima quarta-feira, na Vila, pela Copa Libertadores da América, mas mudou de ideia e o único atleta que segue como dúvida é o atacante Borges, que se recupera de uma forte gripe. Caso o centroavante não reúna condições de atuar, Alan Kardec, que o substituiu na última rodada, deve ser o escolhido para entrar na sua vaga.

    “Hoje em dia, no futebol, todos os jogos são importantes. Existe muita coisa envolvida em um clássico: a mídia, os jogadores, os clubes, etc. Enfim, todas as partidas são importantes. Como eu vou desprezar um clássico da história de Santos e Corinthians? É algo que está na história do futebol brasileiro, assim como o confronto com o Inter, pela Libertadores, é importante. Não dá para desprezar nenhum dos dois (jogos). São grandes clássicos do futebol nacional”, ponderou o comandante santista, que não é o único a se preocupar com a competição continental.

    O Corinthians terá seu segundo desafio pela fase de grupos da Libertadores na quarta-feira, diante do paraguaio Nacional, no Pacaembu. Por isso, os titulares Alessandro, Paulinho, Danilo e Liedson serão preservados e darão seus lugares a Welder, Edenílson, Jorge Henrique e Adriano. Chicão e Fábio Santos seguem como dúvidas, com Marquinhos e Ramon como opções.

    “Não sei se são os dois melhores do Brasil. Se colocar dois dos cinco ou seis que estão melhores no Brasil, sim. O momento do Palmeiras é assim, o Fluminense também está em um momento sólido. Deve ter outros exemplos, estou botando seis, tem outros que não citei”, disse o comandante corintiano.

    Reportagem: Gazeta Esportiva

    Veja Também

    Notícias do Corinthians
    Notícias do Corinthians