Gazeta Esportiva - 02 de novembro de 2016 às 09:56

Geralmente sério ao conceder entrevistas, o meia Guilherme abre um sorriso com facilidade quando o assunto é o atacante Jô. Ele se animou por ter reencontrado no CT Joaquim Grava o amigo que fez no Atlético-MG, reforço do elenco chefiado por Oswaldo de Oliveira para a temporada seguinte.

“Colocamos o papo em dia e já projetamos uma situação boa para o ano que vem. Por ele por nós, o Jô jogaria agora. Está entusiasmado, contente, assim como nós, que ganharemos um atacante de alto nível. Aos poucos, vai reconhecendo a sua antiga casa, ambientando-se aos jogadores e preparando-se para dar o seu melhor no ano que vem”, comentou Guilherme.

O meia ainda falou com saudosismo sobre a parceria que mantinha dentro de campo com o antigo e futuro companheiro em Belo Horizonte. Hoje, eles seriam concorrentes de posição, uma vez que Guilherme tem sido improvisado como centroavante por Oswaldo de Oliveira.

“Jogamos juntos várias vezes. Ele era o 9 mesmo, e eu ficava um pouco mais atrás, criando. O Jô é um jogador que facilita a chegada dos meias, a passagem dos laterais. Aqui, vai enfrentar uma disputa pela posição”, avisou Guilherme, que se sente mais à vontade na condição de armador. “Tenho uma característica diferenciada, podendo jogar mais à frente ou como um meia. Isso vai depender do Oswaldo. Mas é claro que vou brigar para ser titular, porque não sou bobo.”

Para Guilherme, a sua dupla com Jô deverá ser ainda mais bem-sucedida no Corinthians, independentemente das escolhas de Oswaldo. Assim como já havia apontado o meia Giovanni Augusto, que também passou pelo Atlético-MG, ele se convenceu de que o reforço da equipe para 2017 realmente se recuperou no aspecto disciplinar.

“O Jô está mudado, sim. Uma vida com Deus modifica as atitudes das pessoas. Já se nota isso no semblante dele, no abrir da boca. É um cara diferente. Não tenho convivido com ele, mas, como sei que o poder de Deus restaura e muda muitas vidas, acredito que esteja melhor, atuando em prol de sua família, do amor pela vida e, acima de tudo, pela profissão”, discursou Guilherme, lembrando que Jô virou um religioso fervoroso ao combater o abuso do consumo de álcool. “A vida antiga dele não condiz com a de um atleta. Agora, vai se tornar novamente um dos melhores do Brasil”, confiou.

Jô já aprimora a forma física no CT Joaquim Grava. Atleta mais jovem que já defendeu o Corinthians – estreou aos 16 anos, em uma vitória por 1 a 0 sobre o Guarani, em 2003 –, ele rodou por CSKA Moscou, da Rússia, Manchester City e Everton, da Inglaterra, Galatasaray, da Turquia, Internacional, Atlético-MG, Al-Shabab, dos Emirados Árabes Unidos, e Jiangsu Suning, da China, antes de sacramentar o seu retorno ao clube.