UOL Esporte - 14 de novembro de 2016 às 18:35


A diretoria do Corinthians começou a montagem do time para a próxima temporada sob críticas de conselheiros do clube por conta da contratação de Jô. O principal motivo de queixa é o fato de a direção aceitar pagar comissão de R$ 1,75 milhão para o empresário do jogador, Giuliano Bertolucci, conforme noticiou em seu blog o jornalista Jorge Nicola.

Os críticos alegam que o clube não precisa de intermediários para contratar um jogador que conhece tão bem, que o valor prometido ao agente não combina com a política de cortes de despesas adotada pelo presidente Roberto de Andrade e ainda que Jô estava em baixa, sem clube, e pode não ser a solução para os problemas do ataque corintiano.

Por sua vez, a diretoria rebate alegando ser praxe clubes pagarem comissões a empresários dos jogadores e que foi programado o pagamento para Bertolucci no ano que vem, quando o alvinegro terá dinheiro em caixa. Outra explicação dos dirigentes é de que Jô era dono de seus direitos econômicos e o Corinthians tinha que aceitar suas exigências para fechar o negócio.

A direção não revela os valores que o atacante receberá (seriam R$ 490 mil entre luvas e salários), mas diz que a remuneração de Jô não viola o conceito “pés no chão” adotado por Andrade e que o atacante vai embolsar um valor justo para quem detinha seus direitos econômicos.

Sobre as dúvidas em relação ao desempenho de Jô, Andrade aposta que dará certo. Simples assim.